Como lidar com o emocional de nossas crianças no período de pandemia

09 de Setembro, 2020

De repente, tudo mudou! Mudanças na rotina, isolamento social, distanciamento da escola, saudades dos professores e colegas de classe, e a falta de resposta sobre o futuro são alguns fatores que mexem com nossas crianças neste período de quarentena. Sem poder sair de casa para brincar, se divertir, a criança passa a conviver com notícias diárias na TV sobre pacientes em estado grave com o novo Coronavírus e a angústia e o medo passam a fazer parte do seu contexto.

O relato de pais dizendo que a criança está inquieta, triste, comendo em demasia, são constantes.

Pais e familiares sobrecarregados com trabalhos home office, afazeres de casa e monitoramento nas aulas on-line têm deixado as pessoas em situação de angústia e exaustão.

Para amenizar tais sofrimentos, o mais importante é tentar manter a criança dentro de uma rotina. Acordar cedo, tirar o pijama, tomar café da manhã, assistir às aulas on-line. Horas de estudo e lazer ajudam a criança entender sobre responsabilidades e comprometimento diários.

Tentar conversar com a criança sobre seus sentimentos, sobre a saudade também podem ajuda-lá a diminuir a ansiedade. Devemos dar importância ao que a criança sente! Ajudar as crianças com o vocabulário é muito importante, assim como dividir suas próprias emoções. Isso pode criar conexões em um momento em que as famílias estão passando mais tempo juntas.

Muitas vezes, as crianças não conseguem expressar por palavras, mas manifestam com comportamentos inadequados e diferentes do que estavam acostumados. O olhar do adulto deve ser bem atento neste momento.

Acolher a criança com atitudes afetivas, ajudará na mudança de postura. A qualquer situação de agravamento de comportamento, sugere-se procurar um psicólogo, que auxiliará seu(ua) filho(a) a lidar com estes sentimentos diversos.


Telma Souza - Coordenadora do Fundamental Anos Iniciais