A importância da mastigação para a fala

Você já parou para pensar como a mastigação pode interferir na fala? Para termos boa dicção, pronúncia e intensidade das palavras, ou seja, para sermos um bom interlocutor, temos que estar com todos os músculos orofaciais (bochechas, lábios e língua) íntegros e em perfeita sintonia. E a maneira como mastigamos interferem diretamente no desenvolvimento desses músculos.

Durante a mastigação – função aprendida durante a primeira infância – ocorre uma associação dos movimentos da língua, boca lábio e mandíbula, que servem como exercícios para a preparação e estimulação da musculatura usada para a boa articulação da fala. Observa-se, na prática clínica da Odontopediatria e da Fonoaudiologia, que crianças que consomem apenas alimentos pastosos ou liquidificados desenvolvem a hipotonia dos músculos faciais e, consequentemente, têm mais chances de apresentarem:

  • Alteração na articulação dos sons e fala;
  • Respiração bucal, pois a boca fica sempre aberta;
  • Fisionomia alongada, pois os músculos da face hipotônicos tendem a pesar mais para baixo;
  • Dificuldade no controle da salivação.

Pequenas mudanças na rotina dessas crianças podem ajudar a reverter tal quadro, como, por exemplo, oferecer alimentos sólidos e duros e, principalmente, inteiros (maçã e cenoura) para elas terem que morder o alimento, fortalecendo os músculos faciais. É importante também que a criança faça um controle com o Odontopediatra, assim ele irá avaliar o sistema como um todo e intervirá precocemente em possíveis problemas.

Dra. Cristina Pedro                                            Carmen Carbone
Odontopedatria                                                    Fonoaudióloga
CRO 49520                                                          Crfa. 7163